LIVRE DA MENTE, LIVRE DE SI

Satyaprem, mestre contemporâneo, após anos dedicados à terapia e meditação, sob os apontamentos de Osho, compartilha desde 2000 o fim da busca ou, mais precisamente, o encontro com a Verdade – significado de “satsang”.

 

 

Por Satyaprem

 

 

A pauta da mente é não ter um Mestre, é “ser livre”; ela quer ser livre para permanecer inconsciente. Mas se olharmos de outra perspectiva, quando se entrava numa ordem de meditação, como a Zen, por exemplo, toda a sua “liberdade” era perdida. “Você” – a mente – não podia mais isso, não podia mais aquilo, nem aquele outro. Esses três pilares são fundamentais: nem isso, nem aquilo, nem aquele outro.

Se era tomada essa “liberdade”, era porque havia uma função. Pois qual era a liberdade que estava sendo perdida? Uma liberdade aparente, não verdadeira. A liberdade de ir ao supermercado, fazer sexo ou pensar o que quiser – isso não é liberdade, isso é, exatamente, uma situação condicionada da mente.

A verdadeira liberdade é estar livre da mente, é estar livre de quem você pensa ser, livre de quem os outros pensam que você é, é estar livre do pensar, livre de si mesmo.

Mas a mente não compreende assim, ela quer ser livre para “você ser você mesmo”. O que implica que ela não compreende uma questão fundamental: se você quer ser você mesmo, quem é você?

E aqui é onde entra o Mestre, porque enquanto você não souber quem você é, tudo o que você fizer será uma prisão. Até pode estar aparentando liberdade, mas não passa de uma prisão.

No momento em que você para de se enganar com a mente, o Mestre está cumprindo o seu papel. A verdadeira liberdade é ser livre de si mesmo.

 

Fonte: https://satyaprem.blog/

 

Foto de perfil: Videhi Prem / Especial para AgênciaJCMazella

Foto de capa: Veetmano Prem  / AgênciaJCMazella

 

Deixe seu comentário