UM BOCADINHO DE VIVER EM PORTUGAL

Sou Anna Maria Salustiano, nascida na cidade de Limoeiro, interior de Pernambuco, jornalista pela Universidade Católica de Pernambuco, Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE-Brasil, professora, aprendiz, estudante de Doutoramento, na Universidade Lusófona, em Lisboa

 

Por Anna Salustiano

 

Mosteiro dos Jerónimos acalma e sossega o olhar

O encantamento começa quando de longe avistamos partes daquela construção imponente. A contemplação do Mosteiro dos Jerónimos que é considerado por muitos como a joia da arquitetura manuelina, se dá quando chegamos em Belém, lugar conhecido também pelos famosos e deliciosos pasteis.

O Mosteiro integra elementos do gótico e do renascimento, e associa-se ainda a uma simbologia naturalista que deixa os nossos olhares mais deslumbrados. É como se aquele prédio representasse simbolicamente a ideia de uma nação e o que de fato representa, por estar ligado a conceitos como Descobrimento e por estar localizado geograficamente em uma entrada do porto, em uma das entradas de Portugal.

A construção do prédio que começou em 1501 e só ficou pronto, um século depois, tem uma fachada com mais de 300 metros e obedece uma horizontalidade que acalma, descansa, segundo os arquitetos, a nossa vista. Para o Mosteiro, Dom Manuel I canalizava grandes somas, como por exemplo, 5% das receitas do comércio com a África e o Oriente, o equivalente a 70kg de ouro por ano.

Para ocupar esse prédio, que aos olhos do monarca, era mais que bem quisto, foram escolhidos os monges da Ordem de São Jerónimo que teriam como funções rezar pela alma do rei e prestar assistência espiritual aos navegadores que dali bem pertinho, da praia do Restelo partiam para colonizar outros mundos.

O tempo foi passando e em 1833, foi decretada a extinção das ordens religiosas em Portugal. A comunidade dos monges foi extinta e eles tiveram que desocupar o lugar que permaneceram durante quase quatro séculos. O Mosteiro dos Jerónimos foi integrado como um dos bens do Estado e o espaço funcionou como colégio até 1940. Hoje, é difícil ir em

Belém e não ver uma fila para entrar no Mosteiro que sossega o nosso olhar e nos traz uma paz danada. 

 

Para visitar o Mosteiro dos Jerónimos paga-se 10€. Quem for cidadão residente (é exigida a documentação), todos os domingos e feriados, das 10h às 14h, a entrada é livre. 

 

Texto : Anna Salustino/Especial para AgênciaJCMazella

Foto: Anna Salustiano/Especial para AgênciaJCMazella

 

Parceria: https://o-tuga.com/

Leave a Comment